VAMOS PENSAR UM POUCO NA GENTE?

Vamos pensar juntos. Não fique indiferente a esses questionamentos. Pense. Reflita. Ninguém precisa saber, mas não fuja – nem que seja pelo menos de si mesmo. Não dá para deixar que a vida escorra por entre os dedos, sem ao menos parar e pensar: “O que é que eu vim fazer aqui…?

Como você percebe o próprio corpo?
Como você encara a própria sexualidade?
Se você pudesse definir a sua vida em uma palavra, qual seria? (Não vale uma frase, só uma palavra.)
Como você vivencia os conceitos e as noções de “certo” e “errado” ou ainda o “isso não fica bem”?
Você se sente velho(a), feio(a) e já até pensou em fazer plástica ou mudar alguma coisa em você para ver se algo acontece?
E será que “essa” ou “aquela” pessoa merece? Será que faria o mesmo por você? Pense nisso e comece a avaliar o relacionamento.
Você já parou para pensar, “tintim por tintim”, por que é que, realmente, tá difícil?
Você já parou para analisar calmamente de que é que você mais gosta?
E se não gosta, costuma fazer apenas para agradá-lo(a)? Por quê?
Tem valido a pena?
Será mesmo?
Você é daquelas pessoas que costuma satisfazer excessivamente o(a), outro(a), esquecendo-se de si mesmo(a)?
Pare um pouco. Pense, por exemplo, no que fez ontem. Das coisas que fez, o que mais deu prazer e, também, o que deu mais desprazer? Então, já que tomou consciência disso, por que não plantar a primeira semente da mudança? A verdadeira e primeira revolução começa é dentro da gente. Quando a gente começa a se inquietar e achar que não merece só isso que a vida tem dado para gente… E aí começa a mudar. Começa a explodir. Começa a crescer. Começa a voar… E, na verdade, só voa alto quem tem asas fortes…
Quantas vezes você transa, ou já transou, apenas para satisfazê-lo?
E você, homem, quantas vezes não teve vontade de jogar tudo para o alto, achando que está difícil segurar a barra, sustentar a casa – tendo que cobrir todas as despesas – e ainda ser sempre o forte?
Você já parou para pensar se a pessoa que está a seu lado, compartilhando a vida, gosta da vida que tem?
Você já parou para pensar o que o seu marido, esposa, pai, mãe, filho, amigo ou mesmo aquele colega de trabalho pensa sobre você? E, mesmo achando que “não liga para o que os outros pensam”, não seria interessante dar um parada e refletir sobre isso?
Será que a imagem que a gente pensa que passa é exatamente a que os outros vêem na gente?
Se o relacionamento – ou a vida pessoal, ou o trabalho, ou a relação com os amigos – está ruim, o que concretamente você tem feito para mudar?
Se o trabalho está chato, sem novidades, o que você fez, esta semana que passou, para mudar? E o que está pensando em fazer para a próxima? – Fique certo(a) de que não é o patrão nem o colega do lado que vão fazer alguma coisa. Por mais que o(a) outro(a) seja solidário, ele(a) não vivencia a sua vida.
Se o gozo está difícil, ou se há um “nó na garganta”,. por que não encher o pulmão de ar, juntar as forças, e falar tudo (ou quase tudo) o que sente?
O que a gente não pode – e não tem o direito – é se violentar e ser infeliz
 

(autor desconhecido)

2 ideias sobre “VAMOS PENSAR UM POUCO NA GENTE?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>