VAMOS PENSAR UM POUCO NA GENTE?

Vamos pensar juntos. Não fique indiferente a esses questionamentos. Pense. Reflita. Ninguém precisa saber, mas não fuja – nem que seja pelo menos de si mesmo. Não dá para deixar que a vida escorra por entre os dedos, sem ao menos parar e pensar: “O que é que eu vim fazer aqui…?

Como você percebe o próprio corpo?
Como você encara a própria sexualidade?
Se você pudesse definir a sua vida em uma palavra, qual seria? (Não vale uma frase, só uma palavra.)
Como você vivencia os conceitos e as noções de “certo” e “errado” ou ainda o “isso não fica bem”?
Você se sente velho(a), feio(a) e já até pensou em fazer plástica ou mudar alguma coisa em você para ver se algo acontece?
E será que “essa” ou “aquela” pessoa merece? Será que faria o mesmo por você? Pense nisso e comece a avaliar o relacionamento.
Você já parou para pensar, “tintim por tintim”, por que é que, realmente, tá difícil?
Você já parou para analisar calmamente de que é que você mais gosta?
E se não gosta, costuma fazer apenas para agradá-lo(a)? Por quê?
Tem valido a pena?
Será mesmo?
Você é daquelas pessoas que costuma satisfazer excessivamente o(a), outro(a), esquecendo-se de si mesmo(a)?
Pare um pouco. Pense, por exemplo, no que fez ontem. Das coisas que fez, o que mais deu prazer e, também, o que deu mais desprazer? Então, já que tomou consciência disso, por que não plantar a primeira semente da mudança? A verdadeira e primeira revolução começa é dentro da gente. Quando a gente começa a se inquietar e achar que não merece só isso que a vida tem dado para gente… E aí começa a mudar. Começa a explodir. Começa a crescer. Começa a voar… E, na verdade, só voa alto quem tem asas fortes…
Quantas vezes você transa, ou já transou, apenas para satisfazê-lo?
E você, homem, quantas vezes não teve vontade de jogar tudo para o alto, achando que está difícil segurar a barra, sustentar a casa – tendo que cobrir todas as despesas – e ainda ser sempre o forte?
Você já parou para pensar se a pessoa que está a seu lado, compartilhando a vida, gosta da vida que tem?
Você já parou para pensar o que o seu marido, esposa, pai, mãe, filho, amigo ou mesmo aquele colega de trabalho pensa sobre você? E, mesmo achando que “não liga para o que os outros pensam”, não seria interessante dar um parada e refletir sobre isso?
Será que a imagem que a gente pensa que passa é exatamente a que os outros vêem na gente?
Se o relacionamento – ou a vida pessoal, ou o trabalho, ou a relação com os amigos – está ruim, o que concretamente você tem feito para mudar?
Se o trabalho está chato, sem novidades, o que você fez, esta semana que passou, para mudar? E o que está pensando em fazer para a próxima? – Fique certo(a) de que não é o patrão nem o colega do lado que vão fazer alguma coisa. Por mais que o(a) outro(a) seja solidário, ele(a) não vivencia a sua vida.
Se o gozo está difícil, ou se há um “nó na garganta”,. por que não encher o pulmão de ar, juntar as forças, e falar tudo (ou quase tudo) o que sente?
O que a gente não pode – e não tem o direito – é se violentar e ser infeliz
 

(autor desconhecido)

ARRANJANDO TEMPO PARA VOCÊ

Na loucura do dia-a-dia conseguir alguns momentos para si mesmo pode assumir ares de missão impossível. Parece piada, mas a pessoa que menos tem tempo para você… é você mesmo.

Ficar em contato com a própria essência é vital. E para quem passa a vida cuidado de tudo e de todos, isto é especialmente relevante. No rodamoinho geral, sua vida passa, enquanto você está sempre pronto a atender aos desejos e necessidades de amigos e familiares, mas sem conseguir – ou se lembrar de tentar – separar uma hora para escutar os próprios anseios. Quando isso finalmente acontece, é importante descobrir interesses que não estejam relacionados com comida. É que, nesses casos, essa acaba sendo a maior – senão a única – fonte de prazer!
Arranjar tempo para si mesmo é, inclusive, uma maneira excitante de saber mais sobre QUEM você é e o que deseja da vida, para explorar novas facetas e áreas da sua personalidade e melhorar sua qualidade de vida. Não importa que o ritmo louco da sua vida esteja sempre em alta rotação. Você apenas precisa comparecer à hora marcada a sua própria pessoa.

Você merece esse tempo

Por que será que há tanta dificuldade em arranjar um tempo só para você? Reflita: quem sabe você não está se punindo por comer em excesso? Fora de forma, você acha que não merece nenhum prêmio, muito menos tempo livre para lhe fazer feliz. Pode ser também que você acredite que isso é egoísmo de sua parte, algo meio infantil.
Sentir culpa por se sentir bem, se e quando esses momentos acontecem, pode também representar um problema. Você precisa se conscientizar de que tem todo o direito de usufruir esse tempo. Se o telefone tocar no seu horário, não atenda: você está muitíssimo ocupado… com a pessoa mais importante de sua vida!
Preste bem atenção aos seus pensamentos desmerecedores. Oponha a cada um deles um positivo e merecedor. Se você pensar: “se eu emagrecer já estará de bom tamanho. Dispor de tempo só para mim é muita indulgênica da minha parte”. Contra-ataque com “emagrecer não é o suficiente. Preciso usufruir de coisas que me agradam fazer. Isso vai me ajudar a viver com mais intensidade e, de quebra, perder peso será bem mais fácil”. Ou se por acaso você disser: “não consigo pensar em nada que me divirta quando estou só. Prefiro ajudar aos que precisam de mim”. Contra – argumente com: “viver me preocupando com os outros pode ser uma maneira de ignorar minhas próprias necessidades e interesses. É bom que eu me importe com os outros, desde que isso não seja pretexto para que eu esqueça de mim”. Além disso, você não consegue ser bom para os outros? Seja com você também!

Arrisque-se

Reserve sempre tempo para você. Mesmo que você ache que não merece essa atenção. Comece por dedicar alguns momentos ao longo do seu dia só para a sua pessoa, não importando como vai utilizá-lo. Concentre-se e pense nas coisas que gosta de fazer: passear numa pracinha, ir ao cabeleireiro ou simplesmente ficar em casa sem fazer nada, de papo para o ar. Se começar a sentir que está sendo muito indulgente, ótimo. Você está iniciando o processo de mudar a crença sobre o que você merece, e isso leva um certo tempo.

                                 Vida agitada e tempo

Haverá sempre razões que expliquem porque é tão raro conseguir um tempo para você, especialmente se sua vida é muito atarefada. Trabalho no escritório, afazeres em casa, responsabilidade com a família tomam todo o espaço de sua existência. Provavelmente não tem nem um segundo sobrando para se encontrar com você. Mas, se refletir com cuidado, verá que há espaço também para você na sua agenda.

Como Usar Esse Tempo

Depois de finalmente conseguir organizar a sua vida a seu favor, sobra o desafio de saber como utilizar o tempo que você obteve para a sua pessoa. Aqui vão algumas sugestões para usufruir dessa conquista.

Explore Seus Interesses
 
- Esta é uma oportunidade excelente para expandir seus horizontes. Tanta coisa que você adora fazer ou aprender mas nunca teve chance… Ao ler um artigo ou assistir a uma palestra, você pode se inspirar e programar atividades estimulantes.
Dê uma olhada nos livros que estão sendo publicados, nos lançamentos em vídeo ou qualquer outra coisa que desperte a sua atenção. Procure por cursos que ajudarão você a se conhecer melhor e a desfocalizar, se for o caso, o seu interesse exclusivo por comida.


Aprecie Plenamente O Seu Tempo Reservado - Você não precisa fazer nada de especial com esse tempo. Quando se tem um dia “daqueles” tudo o que se deseja é sentar num lugar confortável, com os pés para o alto. Se essa for a maneira como pretende usar seu tempo, excelente. Se sentir culpa, lembre-se que não há nada no mundo mais importante para fazer, senão relaxar: é seu direito.

Planeje com antecedência
 - Faça planos para algo diferente com o tempo reservado. Quem sabe ir a uma feira de antiguidades num sábado pela manhã ou a um espetáculo de circo à tarde. Essas coisas para as quais nunca houve tempo.
Nunca se deixe invadir pela sensação de não ter nada para curtir ou fazer com o tempo livre. Ele é todinho seu, para você fazer dele o que quiser, como um presente que você escolheu com todo o carinho!

Algumas Sugestões:

Estabeleça prioridades - Faça uma lista de todos os seus compromissos, sem esquecer os finais de semana. Coloque um sinal vermelho naquilo que não puder deixar de ser feito e um verde nas coisas que não são tão importantes assim. Por exemplo, você precisa ir à reunião de pais na quarta-feira, mas pode deixar para outra ocasião colocar em ordem os papéis que estão na gaveta da escrivaninha.

Refaça sua agenda - Dê uma olhada nas coisas que você assinalou com a cor verde. é por aí que você vai conseguir arranjar o seu tempo. Adiando ou eliminando as atividades que não forem prioritárias você pode conseguir tempo para cuidar de seus interesses pessoais.

Delegue responsabilidade - Reveja a sua lista e se pergunte: “há algo aqui que pode ser feito por outra pessoa?” Se a resposta for afirmativa, aja de acordo.

Aprenda a dizer não - Uma boa maneira de conseguir arranjar tempo para você é saber quando dizer não. Se alguém pedir a sua ajuda, descubra se é algo absolutamente necessário. Se não for, diga que ficará para outra ocasião.

Crie código de sinalização - Diga para a sua família que quando a porta do seu quarto estiver fechada ou a secretária eletrônica ligada, não devem perturbar você. Esses sinais externos ajudarão a proteger o seu tempo reservado.

por: Olinda Fernandes

… DEPENDE DE VOCÊ

” A paz que você reclama e tenta encontrar…
depende de você.
A compreensão que você reivindica a cada passo…
depende de você.
A bondade que você admira nas pessoas e sonha possuir…
depende de você.
O diálogo, base de toda boa convivência…
depende de você.
A abertura e o caminho para a renovação…
depende de você.
A realização que você julga essencial…
depende de você.
O amor que você quer encontrar nos outros…
depende de você.
Pondere:
queixar-se ou produzir, atrapalhar ou servir, desprezar ou valorizar,
revoltar-se ou colaborar, adoecer ou curar-se,
rebaixar ou elevar-se, monologar ou dialogar,
fechar-se ou abrir-se, estacionar ou progredir…
é uma questão de escolha…
e esta escolha,

DEPENDE DE VOCÊ.”

(Autor desconhecido)

“… ERA UMA VEZ UM MENININHO …”

Era uma vez um menininho. Ele era bastante pequeno. E era uma grande escola. Mas quando o menininho descobriu que podia ir à sua sala caminhando através da porta da rua, ele ficou feliz. E a escola não parecia tão grande quanto antes.

Uma manhã, quando o menininho estava na escola, a professora disse:
- Hoje nós iremos fazer um desenho.
- Que bom! – pensou o menino. Ele gostava de fazer desenhos.

Ele podia fazê-los de todos os tipos; leões, tigres, galinhas, vacas, trens e barcos, ele pegou sua caixa de lápis e começou a desenhar. Mas a professora disse:

- Esperem um pouco! Ainda não é hora de começar.
- Agora! Disse a professora: Nós iremos desenhar flores.
- Que bom – pensou o menininho. Ele gostava de desenhar flores com lápis rosa, laranja e azul. Mas a professora disse:
- Esperem! Vou mostrar como fazer.
E a flor era vermelha com o caule verde.
- Assim: disse a professora – agora vocês podem começar.
Então ele olhou para sua flor. Ele gostava mais de sua flor, mas não podia dizer isso. Ele virou o papel e desenhou uma flor igual à da professora. Uma flor vermelha, com caule verde.
Num outro dia, quando o menininho estava em aula, ao ar livre a professora disse:
- Hoje iremos fazer alguma coisa com barro.
Ele pensou que podia fazer todos os tipos de coisas com o barro: elefantes, camundongos, carros e caminhões, e ele começou a amassar a sua bola de barro.
Mas professora disse:
- Esperem! Não é hora de começar. E ela esperou que todos estivessem prontos.
- Agora! Disse a professora nós iremos fazer um prato.
- Que bom! Pensou o menininho. Ele gostava de fazer prato de todas as formas e tamanhos.
A professora disse:
- Esperem, vou mostrar como se faz.
E ela mostrou a todos como fazer um prato fundo.
- Assim, disse a professora, agora vocês podem começar.
O menininho olhou para o seu próprio prato. Ele gostava mais do seu prato do que o da professora, mas ele não podia dizer isso. Ele amassou o seu prato numa grande bola novamente e fez o prato igual ao da professora – Era um prato fundo. E muito cedo o menininho aprendeu a esperar e a olhar e a fazer as coisas exatamente como a professora.
E muito certo ele não fazia mais coisas por si próprio.
Então, aconteceu que o menininho e a sua família se mudaram para outra casa, em outra cidade, e o menininho tinha que ir para outra escola.
Esta escola era ainda maior que a primeira. E não havia porta da rua para sua sala. Ele tinha de subir grandes degraus até sua sala.
E no primeiro dia, ele estava lá e a professora disse:
- Hoje nós vamos fazer um desenho.
- Que bom! – pensou o menininho, e ele esperou que a professora dissesse o que fazer.
Mas a professora não disse nada. Ela apenas andava na sala. Veio até o menininho e disse:
- Você não quer desenhar?
- Sim, disse o menininho, mas o que vamos desenhar?
- Eu não sei até que você faça, disse a professora.
- Como eu posso fazê-lo? – perguntou o menininho.
- Da maneira que você gostar, disse a professora.
- E de que cor? – perguntou o menininho.
- Se todo mundo fizer o mesmo desenho e usar as mesmas cores como eu posso saber quem fez o que? E qual o desenho de cada um?
- Eu não sei, disse o menininho.

E COMEÇOU A DESENHAR UMA FLOR VERMELHA COM O CAULE VERDE.

(Autor desconhecido)

O QUADRO

Um homem havia pintado um lindo quadro.
No dia de apresentá-lo ao público, convidou todo mundo para vê-lo.
Compareceram as autoridades do local, fotógrafos, jornalistas, e muita gente, pois o pintor era muito famoso e um grande artista.
Chegado o momento, tirou-se o pano que velava o quadro.
Houve caloroso aplauso.
Era uma impressionante figura de Jesus batendo suavemente à porta de uma casa.
O Cristo parecia vivo.
Com o ouvido junto à porta, Ele parecia querer ouvir se lá dentro alguém respondia.
Houve discursos e elogios.
Todos admiravam aquela obra de arte.
Um observador curioso porém, achou uma falha no quadro:
A porta não tinha fechadura.
E foi perguntar ao artista:
- Sua porta não tem fechadura! Como se fará para abri-la?
- É assim mesmo – respondeu o pintor
- Esta é a porta do coração humano.
- Só se abre do lado de dentro.
Abra seu Coração também.
Mude, ainda dá tempo.

(Autor Desconhecido)

VERSÕES

Vivemos cercados pelas nossas alternativas, pelo que podíamos ter sido. Ah, se apenas tivéssemos acertado aquele número (“Unzinho e eu ganhava a senacumulada”), topado aquele emprego, completado aquele curso, chegado antes, chegado depois, dito “sim”, dito “não”, ido para Londrina, casado com a Doralice, feito aquele teste… Agora mesmo neste bar imaginário em que estou bebendo para esquecer o que não fiz – aliás, o nome do bar é “Imaginário” – sentou um cara do meu lado direito e se apresentou.- Eu sou você, se tivesse feito aquele teste no Botafogo.
E ele tem mesmo a minha idade e a minha cara. E o mesmo desconsolo. Por que? Sua vida não foi melhor do que a minha?
- Durante um certo tempo, foi. Cheguei a titular. Cheguei à seleção. Fiz um grande contrato. Levava uma grande vida. Até que um dia…
- Eu sei, eu sei… – disse alguém sentado do lado dele.
Olhamos para o intrometido. Tinha a nossa idade e a nossa cara e não parecia mais feliz do que nós. Ele continuou:
- Você hesitou entre sair e não sair do gol. Não saiu, levou o único gol do jogo, caiu em desgraça, largou o futebol e foi ser um medíocre propagandista.
- Como é que você sabe?
- Eu sou você, se tivesse saído do gol. Não só peguei a bola como mandei para o ataque com tanta perfeição que fizemos o gol da vitória. Fui considerado o herói do jogo. No jogo seguinte, hesitei entre me atirar nos pés de um atacante e não me atirar. Como era um “herói”, me atirei. Levei um chute na cabeça. Não pude mais ser goleiro. Não pude ser mais nada. Nem propagandista. Ganho uma miséria do INPS e só faço isto: bebo e me queixo da vida. Se não tivesse ido nos pés do atacante…
- Ele chutaria para fora.
- Quem falou foi o outro sósia nosso, ao lado dele, que em seguida se apresentou.
- Eu sou você se não tivesse ido naquela bola. Não faria diferença. Não seria gol. Minha carreira continuou. Fiquei cada vez mais famoso, e agora com fama de sortudo também. Fui vendido para o futebol europeu, por uma fábula. O primeiro goleiro brasileiro a ir jogar na Europa. Embarquei com festa no Rio…
- E o que aconteceu? – perguntamos os três em uníssono.
- Lembra aquele avião da Varig que caiu na chegada em Paris?
- Você…
- Morri com 28 anos.
Bem que tínhamos notado sua palidez.
- Pensando bem, foi melhor não fazer aquele teste no Botafogo…
- E ter levado o chute na cabeça…
- Foi melhor _ continuei _ ter ido fazer o concurso para o serviço público naquele dia. Ah, se eu tivesse passado…
- Você deve estar brincando _ disse alguém sentado a minha esquerda.
Tinha a minha cara, mas parecia mais velho e desanimado.
- Quem é você?
- Eu sou você, se tivesse entrado para o serviço público.
Vi que todas as banquetas do bar à esquerda dele estavam ocupadas por versões de mim no serviço público, uma mais desiludida do que a outra. As conseqüências de anos de decisões erradas, alianças fracassadas, pequenas traições, promoções negadas e frustração. Olhei em volta. Eu lotava o bar. Todas as mesas estavam ocupadas por minhas alternativas e nenhuma parecia estar contente. Comentei com barman que, no fim, quem estava com melhor aspecto, ali, era eu mesmo. O barman fez que sim com a cabeça, tristemente. Só então notei que ele também tinha a minha cara, só com mais rugas.
Quem é você? – perguntei.
- Eu sou você, se tivesse casado com a Doralice.
- E?
Ele não respondeu. Só fez um sinal, com o dedão virado para baixo.

(Veríssimo)

CIPS é …

Clínica Integrada de Psicologia e Sexologia.

Fundada por um grupo de profissionais de reconhecido conceito em suas respectivas especialidades, tem como proposta de trabalho dar complementariedade e/ou suporte a outros profissionais da área de saúde, e também atendimento ao público tanto na área psicológica como na área de sexologia.

Seus profissionais estão habilitados a prestar atendimento à adolescentes e adultos em terapia individual, casal e/ou familiar em suas respectivas modalidades.
É com enorme prazer que colocamos nossos serviços à sua disposição.
Faça-nos uma visita à clínica ou comunique-se conosco através do nosso telefone ou via e-amail.